Notícias

Em mais uma manifestação de truculência, intransigência, absoluto desrespeito com a atividade jornalística e a liberdade de imprensa e de expressão, um homem com adesivos de um candidato bolsonarista agrediu verbalmente o jornalista Gabriel Landim e o cinegrafista Humberto Campos, da TV Integração, durante cobertura da Festa Alemã em Juiz de Fora. Os profissionais foram impedidos de exercer suas funções e só conseguiram realizar a gravação com escolta policial.

 

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Juiz de Fora repudia as agressões e a intimidação contra os dois profissionais. A cada vez que jornalistas e cinegrafistas sofrem violência por exercer seu ofício, a liberdade de expressão é atacada e um dos pilares da democracia se abala. Respeitar o exercício profissional do jornalismo é respeitar o direito fundamental de acesso a informações, que é de toda a sociedade.

 

Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Juiz de Fora

Eleição do Sindicato: chapa única se inscreve para a diretoria, comissões de Ética e Liberdade de Imprensa

Encerrado o prazo para inscrições de candidaturas para a próxima gestão do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Juiz de Fora e para as comissões de Ética e Liberdade de Imprensa. A Comissão Eleitoral registrou apenas uma chapa se candidatando para concorrer (veja abaixo), e os critérios para inscrição desta chapa foram preenchidos, de acordo com o estatuto da entidade.

A eleição será realizada no dia 23 de maio (segunda-feira).

Chapa 1

Diretoria:
Presidente Leonardo da Silva Costa
Vice-presidente Renato de Paula Salles
Secretário-geral Maycon Firmino Chagas
Primeiro secretário Moyses Valle
Segundo-secretário Bruno Costa Ribeiro
Primeiro-tesoureiro Ricardo Alexandre Nogueira Miranda
Segunda-tesoureira Cristiane Hubner

Suplentes
Priscilla Chandretti
Davi Carlos Acacio
Wallace Mattos
Gracielle Nocelli
Gabriela Calazans
Renata Miranda Valle
Anna Virginia Nascimento Silva

Conselho Fiscal:
Presidente Ricardo Alexandre Nogueira Miranda
Gracielle Nocelli
Erika de Almeida Winter Del Valle

Comissão de Ética e Sindicância:
Presidente Wallace Mattos
Táscia Oliveira Souza
Gabriela Calazans

Comissão de Liberdade de Imprensa:
Presidente Maycon Firmino Chagas
Secretário Bruno Costa Ribeiro
Renata Miranda Valle
Davi Carlos Acacio
Anna Virginia Nascimento Silva

Delegação ao Conselho de Representantes da FENAJ
Priscilla Chandretti
Renato de Paula Salles

ELEIÇÕES PARA DIREÇÃO DO SINDICATO

O SINDICATO DOS JORNALISTAS DE JUIZ DE FORA – EDITAL DE CONVOCAÇÃO – ELEIÇÕES PARA O SJPJF (TRIÊNIO 2022-2025)

A Comissão Eleitoral do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Juiz e Fora (SJPJF) – CNPJ 20.453.643/0001-06 -, eleita em Assembleia Geral realizada no dia 13 de abril de 2022, para conduzir o processo eleitoral que renovará a Diretoria, o Conselho Fiscal e a Comissão de Ética do SJPJF para o triênio 2022-2025, realizou sua primeira reunião no dia 14 de abril de 2022, quando definiu:

 

As eleições sindicais vão se realizar no dia 23 de maio de 2022 por voto presencial e direto dos associados que estiverem em gozo de suas obrigações sindicais, validadas de acordo com os dados constantes no cadastro de associados, na sede do Sindicato na Rua Halfeld, nº 805, sala 603, das 9h30 às 16h30. A apuração dos votos será feita após o encerramento da votação.

 

O Regimento Eleitoral elaborado pela Comissão Eleitoral, na forma do art.49 do Estatuto do SJPJF, estabelece que, conforme determina art. 46, são condições para o exercício do direito de votar em eleição no Sindicato: I – desfrutar da condição de associado há pelo menos 6 (seis) meses antes da data da eleição; II – estar no gozo dos direitos conferidos por este Estatuto; III – ter quitado as mensalidades e a contribuição sindical.

 

Edital completo de convocação para processo eleitoral do SJPJF

8 de Março – Ontem, hoje e sempre: Lute como uma jornalista!

Pelo segundo ano consecutivo, nós mulheres estivemos na linha de frente no combate à pandemia de Covid-19. Somos a maioria da classe trabalhadora em diversas áreas consideradas essenciais, inclusive no Jornalismo.

 

No entanto, continuamos sendo, em especial as mulheres negras, as que recebem menos, as que ocupam menos cargos de chefia, as que estão mais expostas ao assédio moral e sexual e às demais violências relacionadas ao nosso trabalho.

 

Um monitoramento realizado pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), financiado pela Unesco e que teve o apoio da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), mostrou que, no ano passado, nós fomos os principais alvos de casos de violência de gênero contra profissionais da imprensa. Foram registrados 119 casos contra 89 jornalistas (algumas foram agredidas mais de uma vez). Desse total, 91,6% dos casos tiveram como alvo mulheres jornalistas.

 

Fomos, também, assim como as demais mulheres da classe trabalhadora, as mais afetadas pela crise sanitária, econômica e social que se aprofundou desde 2020. Sofremos com a sobrecarga de trabalho, com as duplas, às vezes triplas, jornadas; com o teletrabalho em condições precárias acumulado às demandas domésticas e de cuidado; com o desemprego; com a carestia.

 

Vivemos ainda o constante ataque do governo genocida de Jair Bolsonaro, e de seus aliados nos estados e municípios, aos nossos direitos sociais, sexuais e reprodutivos, com desmonte de políticas públicas voltadas para a nossa Saúde, para o combate à violência doméstica, de gênero e à LGTfobia.

 

Diante de tanta precarização das nossas condições de trabalho e vida, a Comissão de Mulheres Jornalistas da FENAJ adotou como tema para marcar o Dia Internacional de Luta das Mulheres – 8 de março de 2022, “Trabalho decente e sem violência para as jornalistas – pela Convenção 190 da OIT”.

 

Lutamos para viver em um país que pare de nos matar, violentar e usurpar nossas liberdades e direitos. Exigimos trabalhar em segurança e com condições decentes, para que possamos continuar fazendo do Jornalismo um instrumento de defesa da democracia, de transformação social e de combate às opressões.

 

Neste sentido, a Convenção 190 traz avanços importantes, como ampliar o entendimento do que seja violência e assédio e tratá-los não apenas no local de trabalho mas no mundo do trabalho. A Convenção 190 avança mais ao eleger a igualdade de gênero como pilar do trabalho decente, imprescindível à dignidade das trabalhadoras.

 

Seguiremos na linha de frente da resistência contra todos que atacam nossos direitos e liberdades democráticas. Por isso, neste 8 de Março, nós também reivindicamos nosso direito a uma vida melhor  e reverenciamos oito mulheres que fizeram história no jornalismo brasileiro para nos inspirar e impulsionar para as lutas e desafios que se colocam em nosso horizonte.

 

Ontem, hoje e sempre: Lute como uma jornalista!

 

Pela vida das mulheres, Bolsonaro nunca mais! Por um Brasil sem machismo, racismo e fome.

 

Brasília, 8 de março de 2022

 

Comissão de Mulheres Jornalistas da FENAJ

 

Diretoria da Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ

Sindicato conquista valorização salarial para jornalistas de carreira da Câmara

As jornalistas profissionais do quadro efetivo da Câmara Municipal de Juiz de Fora tiveram uma boa notícia nesta quinta-feira, dia 30 de setembro. Após várias rodadas de negociações intermediadas pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Juiz de Fora, o comando da Mesa Diretora do Poder Legislativo municipal tornou público um projeto de lei que irá garantir a equiparação salarial das profissionais aos demais servidores de Ensino Superior concursados da Casa.

 

A equiparação, todavia, ainda depende da aprovação em plenário do projeto de lei.  Até lá, a situação seguirá sendo monitorada pela direção do Sindicato.

 

A equiparação salarial é uma das reivindicações que integram pauta levada pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Juiz de Fora ao atual comando da Mesa Diretora da Câmara. As conversas foram tratadas diretamente com o presidente da Casa, Juraci Scheffer que já havia sinalizado a possibilidade de aplicar a isonomia salarial, o que deve acontecer a partir de Janeiro de 2022.

 

Desde 2019, quando começaram a ser contratadas pela Câmara as jornalistas aprovadas em concurso público, as profissionais recebiam um salário 25% menor que os vencimentos de outros servidores de carreira da Casa, aprovados em seleção pública para vagas de Ensino Superior. A justificativa para a discrepância era a jornada especial dos jornalistas, definida pela legislação trabalhista vigente.

 

A direção do Sindicato foi representada nesta reunião por seu presidente, o jornalista Renato Salles; o secretário-geral, Leonardo Costa; e o diretor Maycon Chagas. “É uma conquista não só das jornalistas da Câmara, mas de toda a categoria”, destacou Renato.

 

Para um dos diretores do sindicato, Maycon Chagas, a equiparação salarial reafirma o direito que dá categoria e reforça as próximas lutas que a categoria terá pela frente ” Queremos que essa vitória seja acompanhada por outras. A comunicação pública de Juiz de Fora é quem mais ganha com a valorização e o respeito aos direitos das servidoras jornalistas da câmara. E esperamos que mais concursos públicos ocorram no legislativo municipal. Assim ele cada vez mais estará servindo da forma que esperamos a nossa cidade”